quarta-feira, 21 de agosto de 2013

POLICIAIS INVADEM PLENÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS E COBRAM VOTAÇÃO DA PEC 300

Policiais militares, civis e bombeiros de vários estados que já tinham ocupado o Salão Verde da Câmara dos Deputados em manifestação pela votação da PEC 300, que cria um piso nacional para a categoria, invadiram o plenário da Casa no final da tarde desta terça-feira (20).
Assim que ocorreu a invasão, o deputado Simão Sessim (PP-RJ), que presidia a sessão, encerrou os trabalhos. Parte dos manifestantes se sentou nas poltronas reservadas aos parlamantares.
Em seguida, o presidente Henrique Eduardo Alves assumiu o comando da mesa e fez um apelo para que os manifestantes deixassem o plenário. Ele propôs criar um grupo de trabalho para discutir até 16 de setembro a proposta de emenda constitucional. Ao final do trabalho desse grupo, a Câmara decidiria se leva a proposta à votação em segundo turno.
Alves se irritou com as manifestações em plenário e ameaçou retirar a proposta de criação do grupo de trabalho. Mesmo assim, os policiais permaneceram no plenário.
“Esse tipo de comportamento não é respeitoso, nem democrático”, disse Alves. “Estou falando a pessoas sérias e responsáveis. Faço apelo a deputados que se dizem representantes dessa classe, porque eu não vou pautar essa matéria [...]. Faço apelo pela retirada dos senhores de forma educada e respeitosa”, disse.
Depois, deputados com vínculo com a categoria passaram a pedir aos manifestantes que deixassem o plenário.
Estudantes de medicina e de outras profissões da área de saúde que protestavam contra e a favor dos vetos ao projeto do Ato Médico aproveitaram o tumulto para também entrar no plenário, mas se mantiveram ao fundo do recinto.
Cerca de 20 minutos depois de iniciado o tumulto, a maioria dos manifestantes já tinha deixado o plenário.
Henrique Alves disse ter ficado “surpreso” com a invasão do plenário. Ele disse que entende o “emocionalismo” dos policiais, mas afirmou que as dificuldades da categoria não justificam a medida. “Não é desse jeito que se convence o plenário a votar”, declarou.
“Eu me surpreendi com essa atitude que não engrandece, não ajuda o entendimento de nenhum voto dos parlamentares”, disse.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça aqui o seu comentário.