quinta-feira, 21 de março de 2013


MINAS GERAIS: TENENTE CORONEL DISCUTE COM O DEPUTADO ESTADUAL CABO JÚLIO NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA


A Audiência Pública realizada pela Comissão de Direitos Humanos da ALMG, nesta quarta-feira (20/03,) que tratou da suposta violação e tentativa de invasão de domicilio de um oficial da 1ª Companhia Independente de Cães da Polícia Militar, na residência do CABO Robson Nazareno Souza Onofre, terminou em tentativa de intimidação da Corregedoria aos Parlamentares. No final dos trabalhos, o Deputado CABO JÚLIO solicitou que fosse remarcada uma nova oitiva, em que ele, como Advogado, pudesse acompanhar Valdineia Lúcia de Miranda, esposa do militar afastado por problemas de saúde, para que ela não sofresse nenhum tipo de coação. Valdineia já havia sido convidada para dar novos esclarecimentos. Como resposta, envolto em um manto de prepotência e arrogância, o Tenente Coronel Peterson, da Corregedoria ,afirmou que "iria avaliar".

O corregedor foi informado pelo CABO JÚLIO que não se tratava de um Inquérito Policial Militar (IPM), ou seja, que a denunciante não estava intimada à comparecer em hora e local determinado, e sim, convidada a prestar depoimento, para ratificar a denúncia.

O Ten Cel em total afronta ao parlamentar estadual e a Comissão de Direitos Humanos da Casa insurgiu ao questionamento do Deputado, talvez acreditando que ele estivesse nos porões da ditadura onde "manda quem pode, obedece quem tem juízo". Neste momento ocorreu um bate-boca denegrindo a imagem da Corregedoria da PMMG junto ao parlamento.
"O papel da Corregedoria em audiências públicas como esta é um papel magistral de acompanhar e propor soluções mediadas dos conflitos e não tentar intimidar e afrontar os parlamentares. Se com os Deputados este Tenente Coronel teve esta postura, a nós que não estamos subordinados a ele e somos um poder independente, imagina qual o seu comportamento perante seus subordinados", frisou CABO JÚLIO.
De acordo com o Deputado, nas próximas audiências públicas em que se discutirá a violação dos direitos humanos, este oficial virá na condição de CONVOCADO e não mais de CONVIDADO e representante da Corregedoria.

  

ENTENDA O CASO
No dia sete de março de 2013, Valdineia Lúcia de Miranda, esposa do militar afastado por problemas de saúde, CABO Robson Nazareno Souza Onofre, impediu que três militares, acompanhados do 2º Ten. PM Paulo da Silva Moreira Filho, da Cia Independente de Policiamento com Cães, entrassem em sua residência à meia noite para averiguar se o militar estava realmente em casa. O oficial tentou entrar na residência, sem mandado. Eles alegaram ordem do comando, por meio de um memorando, para a "visita de cortesia". A esposa denunciou o fato à corregedoria e a Comissão de Direitos Humanos da ALMG. Requerida pelo Deputado CABO JÚLIO, a audiência pública contou com a presença do Capitão da unidade Cássio Antônio dos Santos que justificou a ordem como "Visita Tranquilizadora". Pela ausência do Oficial que tentou invadir a casa do militar, CABO JÚLIO solicitou nova audiência pública para ouvir o Ten Cel Paulo da Silva Moreira Filho, mas não como convidado e sim como convocado.
BLOG DO CABO JÚLIO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça aqui o seu comentário.