segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Exército cerca Assembleia Legislativa em Salvador para retirar policiais grevistas


Exército Bahia Greve
Ernesto Rodrigues/Agência Estado
Carros blindados da Força Nacional chegam a Salvador

Objetivo é cumprir mandados de prisão contra líderes do movimento e desocupar prédio.

Cerca de 600 militares estão cercando a Assembleia Legislativa, em Salvador, na Bahia, onde policiais militares grevistas acampam, junto de suas famílias, desde 31 de janeiro. O objetivo é cumprir os 11 mandados de prisão expedidos pela Justiça baiana contra os líderes do movimento, que estão no local, para, então, desocupar o prédio.

Além do Exército, homens da Caatinga e da Companhia de Operações Especiais da Polícia Militar estão nas proximidades. Segundo o tenente-coronel Cunha, ainda não há previsão de início para ação. 

O abastecimento de energia elétrica do edifício foi cortado, por volta das 19h deste domingo (5), e as tropas federais fecham o entorno da Assembleia, usando, entre outros veículos, os blindados Urutu do Exército e helicópteros. A iluminação de alguns pontos do prédio e dos holofotes instalados do lado externo é mantida por geradores de energia, usados apenas em casos de emergência.

Os policiais grevistas dizem não querer confronto com as tropas do Exército ou com os 40 integrantes do Comando de Operações Táticas da Polícia Federal (PF), que chegaram a Salvador neste domingo para cumprir os mandados de prisão, mas avisam que responderão a eventuais atos de violência com violência.

Cerca de 300 PMs amotinados aglomeram-se na frente da Assembleia. Marcos Prisco, líder da greve e presidente da Aspra (Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia), fez discurso convocando toda a categoria na noite de domingo.

Aumento da violência 

O número de mortes na Bahia desde o início da greve da PM subiu para 84, segundo informações da Secretaria de Segurança Pública do Estado. A contagem foi iniciada no dia 1º de fevereiro. Na sexta-feira (3), foi registrado o maior número de mortes, 32.

A assembleia está ocupada por policiais militares desde a última terça-feira. O movimento não tem legalidade e, de acordo com a justiça, por isso foram expedidos os 12 mandatos de prisão. Um deles já foi cumprido.

R7

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça aqui o seu comentário.