sábado, 23 de julho de 2011

ANIVERSARIANTE DO DIA!



Todos que fazem este blog parabeniza o nosso amigo Júnior Costa pela passagem do seu Aniversário e aproveita para desejar saúde, paz e muito sucesso!!

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Pesquisa aponta que o Rio grande do norte paga o pior salário ao professor no Brasil

Sexta-feira, 22 de Julho de 2011 às 00:00 / Por: Redação
E-mailImprimirPDF
professor_em_sala_de_aulaUma pesquisa realizada pelo Sindicato dos Professores no Estado do Ceará constatou uma realidade vivenciada por todos os professores da rede estadual de ensino do Rio Grande do Norte: o RN paga o pior salário a um professor no Brasil.
O atual salário médio pago a um d ocente pela administração estadual é de R$ 1.157,33, levando em consideração a remuneração iniciante com licenciatura plena e jornada de 40 horas-aula semanais ou 200 horas-aula mensais, incluindo as gratificações. "A pesquisa confirma a necessidade da nossa luta, pois não existe preocupação do Governo do Estado com a categoria", diz Rômulo Arnaud, coordenador regional do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no RN (Sinte/RN).
De acordo com Rômulo, a remuneração, apesar de não ser o único fator determinante para a qualidade da educação, influencia significativamente no processo educacional. "O professor se sente desmotivado, e isso acaba repercutindo na qualidade do trabalho desenvolvido. No nosso Estado, os índices que retratam a qualidade da educação estão entre os piores do Brasil", destaca o coordenador.
No RN, segundo a pesquisa, o salário-base do professor, sem incorporação de quaisquer vantagens, é de R$ 868,00. "É preciso qu e o governo reveja a política salarial no Estado. Foi necessário uma longa greve para que o Estado cumprisse o que determina a lei nacional do piso-salarial", conta Rômulo Arnauld.
A pesquisa do Sindicato dos Professores do Estado do Ceará analisou ainda o valor da hora-aula pago no RN, colocando o RN em último lugar no ranking, com uma hora-aula valendo R$ 5,79.
Na comparação com o salário mínimo, o salário de professor da rede estadual potiguar também fica na última colocação. Enquanto o melhor salário pago ao professor no Brasil representa 7,42 salários mínimos, no RN, ele vale apenas 2,12 salários mínimos.
A diferença entre o maior salário pago ao professor no Nordeste (R$ 3.263,38, pago pelo Maranhão) e o menor (R$ 1.157,33, no RN) é de R$ 2.106,05. Já entre o maior salário do Brasil (R$ 4.047,49, pago por Roraima) e o do RN é de R$ 2.890,16.
Segundo o coordenador regional do Sinte/RN, em 2006, quando o Plano de Cargos e Car reiras de Salários da categoria foi implantado, a remuneração dos professores no Estado ficou entre as dez maiores do país.
"Naquele ano, houve um salto na qualidade de educação, não que esse fator tenha sido o principal fator, mas naquela época não houve greve, os professores se sentiam melhor do que hoje, mais motivados", afirma Arnaud, acrescentando ainda: "A lei do piso determina que pelo menos 33% da carga-horária seja destinada a atividades fora da sala de aula, o que não acontece no Estado, já que os professores cumprem uma jornada de 26 horas, quando na verdade deveriam cumprir apenas 20, já que no RN a jornada dos professores é de 30 horas semanais".
Entre as consequências acarretadas pela baixa remuneração, está a sobrecarga de trabalho, já que muitos professores dobram, ou triplicam sua carga-horária. "Isso acaba provocando danos irreparáveis, como doenças provocadas por excesso de trabalho. É preciso que o Estado tenha mais sensib ilidade. Não existe uma continuidade de política educacional, uma vez que nos últimos anos tivemos nove secretários de Educação, e o resultado é esse que estamos vendo", conclui o coordenador do Sinte/RN.
É também cada vez menos comum ouvir alguém afirmar que deseja seguir a carreira docente. Segundo Rômulo Arnaud, a principal justificativa dada por essas pessoas é a falta de uma remuneração compatível com a importância da profissão. "Poucas pessoas estão interessadas em fazer concursos para atuar na área. As comissões responsáveis pela elaboração de novos concursos encontram dificuldades até mesmo na hora de contratar uma empresa para executar o processo, já que o número de candidatos muitas vezes não é satisfatório", diz.
Fonte: Jornal O Mossoroense

quinta-feira, 21 de julho de 2011

FIM DA GREVE DOS PROFESSORES DA REDE ESTADUAL.


Os professores da rede estadual de Educação encerraram, nesta quarta-feira (20), a greve da categoria que perdurava desde o dia 2 de maio. Em assembleia realizada no Colégio Winston Churchil, a categoria decidiu pelo fim da paralisação devido às sanções que poderiam sofrer caso mantivessem aa greve.
Apesar da volta às aulas, os professores garantem que vão continuar na luta por melhores salários e mais atenção à educação pública.
Durante a assembleia, que ocorreu na tarde desta quarta-feira, o Sindicato dos Trabalhadores da Educação (Sinte/RN) levou à categoria a proposta do Governo do Estado, repassada durante reunião ocorrida na tarde de quarta-feira(20).
O Governo manteve a proposta de aumento de 34%, a ser pago entre setembro e dezembro deste ano. No entanto, o Executivo vai formalizar a criação de um fórum permanente para discutir o plano de cargos e salários dos servidores da Educação que, para o Estado, precisa de alterações devido ao pagamento do piso nacional da educação.
"Cumpriremos a lei do piso nacional daqui pra frente. Mas, para garantir isso precisamos revisar o plano de cargos", disse a secretária-adjunta de Educação Adriana Diniz.
A presidente do Sinte, Fátima Cardoso, garantiu que a categoria só decidiu retornar ao trabalho devido à decisão judicial, que determinou o retorno e estabeleceu multa de R$ 10 mil por dia de descumprimento, e também às retaliações do Governo, que cortaria o ponto dos faltosos e poderia ingressar com processos para a demissão de servidores.
"A categoria está indignada com o Governo, insatisfeita profundamente. O sentimento hoje é que as aulas vão retornar sem qualidade porque os professores estão profundamente insatisfeitos", disse Fátima Cardoso.
Apesar da decisão de retornar às aulas, os professores garantem que vão continuar buscando a melhoria nas condições de trabalho e nos salários, sob pena de que o ano letivo em 2012 não tenha início. "Esse Governo brinca de fazer Educação. Ou a governadora tem uma política propositiva ou não iniciaremos o próximo ano letivo", garantiu Fátima.
A revisão do plano de cargos vai ocorrer com uma comissão de representantes dos professores e do Governo, estabelecendo um cronograma. De acordo com o secretário estadual de Administração, Anselmo Carvalho, o fórum será criado imediatamente - e o Sinte já cobra a instalação.
“Eles acham que com a greve finalizada ocorre uma educação de qualidade. A ideia é contrária. Eles estão na contramão. Vamos cobrar imediatamente a criação do fórum para discutir o nosso plano de carreira", enfatizou Fátima Cardoso.


FONTE: Jornal a tromba/blog do Oliveira

Sem resposta do Governo, professores da UERN decidem continuar greve

Os professores da UERN se reuniram hoje (21) em assembleia na sede da ADUERN Mossoró. Na ocasião, a categoria expressou insatisfação com o Governo do Estado já que desde o dia 29 de junho foi elaborada uma proposta e a administração estadual não sinalizou uma resposta oficial. Como consequência, os docentes votaram pela continuidade da greve.

“É inadmissível que o governo silencie perante a categoria, isso demonstra o descaso do Governo com a única universidade estadual do RN. Todas as categorias tiveram negociações com a administração, com exceção da UERN”, foi a fala que fez parte de todos os discursos de avaliação dos professores.

Com relação a futuras negociações o Governo está sinalizando que nesta sexta-feira (22) poderá receber a ADUERN para oficializar uma resposta às reivindicações dos professores. O encontro que antes estava marcado para Mossoró, agora deverá acontecer em Natal, em horário ainda não definido.

Consequentemente com a continuidade da greve também prosseguem as mobilizações. Amanhã (22), será realizada a “1ª Marcha em Defesa da Educação” com uma caminhada com saída da sede da 12ª Dired em Mossoró e chegada na Reitoria da UERN. A atividade, organizada pelo COMEM e Grito dos Excluídos, terá início às 15h. A ADUERN convida toda a categoria docente para participar da mobilização.

Concurso do INSS será realizado ainda em 2011

A presidenta Dilma Rousseff, atendendo ao pedido apresentado na tarde de ontem pelo ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, autorizou, em caráter excepcional, a realização de concurso público para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O concurso deverá ser realizado ainda este ano.

Todas as vagas serão abertas nas novas agências do Plano de Expansão da Rede de Atendimento (PEX). Nos próximos dias, técnicos dos dois ministérios (Previdência e Planejamento) se reunirão para definir a quantidade de vagas e os cargos para os quais será realizado o concurso público. A ministra Miriam Belchior também participou da audiência no Palácio do Planalto.

O Plano de Expansão, iniciado em 2009, prevê a implantação de 720 novas agências da Previdência Social em cidades com mais de 20 mil habitantes que não possuem unidades fixas prestando todos os serviços previdenciários. Desse total, 71 já foram inauguradas. Até o final de 2014 as 649 unidades restantes deverão ser entregues à população. Segundo o ministro Garibaldi Alves, ao autorizar o concurso a presidenta Dilma Rousseff destacou que é prioridade do seu governo expandir e melhorar o atendimento prestado aos beneficiários da Previdência Social.

Todas as agências possuem equipamentos modernos de informática, mobiliário novo, dispositivos de segurança e acessibilidade para idosos e portadores de necessidades especiais. As novas agências reduzirão a necessidade de deslocamento do cidadão entre municípios para serem atendidos pela Previdência.

Greve dos professores do estado chega ao fim após 79 dias

Os professores do estado decidiram, nesta quarta-feira (20), em Assembleia Geral da categoria, encerrar a greve de 79 dias. A definição dos professores foi tomada após mais uma rodada de negociações com o Governo do Estado sem definição de acordo.

Ontem a tarde, a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte-RN), Fátima Cardoso disse que a proposta enviada ao Governo do Estado não foi aceita, mas que a categoria já estava se organizando para voltar as atividades mesmo sem o apoio da administração estadual.

"A categoria volta às aulas, hoje, amanhã, ainda não se sabe. Mas, ao voltar às aulas ela vai estar muito ressentida e com certeza a produção não será satisfatória. Digo mais também: eles estão cavando a greve de 2012", afirma Fátima Cardoso.

Minutos antes de ser anunciada a decisão dos professores, o Governo do Estado enviou um comunicado a imprensa afirmando a criação de um Fórum Permanente para discussão da revisão do Plano de Cargos e Carreiras dos Professores, plano que deve atender a um dos pleitos dos professores

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Suicídio na cidade de Pau dos Ferros/RN.

Na manhã desta quarta-feira (20), por volta das 10h00min horas o Sr. Francisco José de Carvalho, 66 anos, que era natural de Antônio Martins/RN, tirou a própria vida. Ele cometeu suicídio utilizando-se de uma corda amarrada em uma árvore nas proximidades do Bairro Beira Rio, em Pau dos Ferros/RN, uma equipe do Corpo de Bombeiros compareceram ao local e PMS fizeram o isolamento até a chegada de uma equipe do ITEP/RN que compareceu por volta das 14:00 horas e após os exames de praxe, removeram o corpo para sede do órgão em Mossoró/RN, o(s) motivo(s) que levaram o mesmo a cometer o transloucado gesto não foi informado.
----------------------------------------------------------------------------------------------------
Homem comete suicídio por enforcamento na cidade de Pau dos Ferros, próximo ao Rio Apodi ou Mossoró.


Blog trará mais notícias.

terça-feira, 19 de julho de 2011

Governo vai pagar dívida acumulada com aposentados e pensionistas em parcela única

Mais de 130 mil pessoas que passaram a receber benefícios do INSS, entre abril de 1991 e janeiro de 2004, vão receber os atrasados em quatro datas diferentes.


O governo vai pagar, em uma só parcela, a dívida acumulada com aposentados e pensionistas que ganharam direito a uma correção do benefício determinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Cento e trinta e uma mil pessoas que passaram a receber benefícios do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), entre abril de 1991 e janeiro de 2004, vão receber os atrasados em quatro datas diferentes.
Para quem tem direito a até R$ 6 mil, o pagamento de valores acumulados em atraso será no dia 31 de outubro. Quem tem direito a valores maiores, vai receber até janeiro de 2013. A Previdência informou que está calculando os valores e ainda não decidiu como aposentados e pensionistas terão acesso às informações sobre o saldo a receber.

SINDICATO CONVOCA ASSEMBLÉIA!




O SINDISERPRAN, convoca todos seus filiados e filiadas para uma assembléia nesta quinta-feira, dia 21, no salão de eventos da Câmara Municipal a partir das 8h 30min, para tratar de assuntos referentes a categoria. Comunicamos ainda que o advogado do sindicato estará presente para realizar atendimentos individuais.

Agradece
Direção do SINDISERPRAN

A violação de direitos garantidos é legal? A exigibilidade de direitos garantidos é ilegal?



* Aldacéia Oliveira

Diante da decisão do Tribunal de Justiça do RN (TJRN), que acatou pedido do Governo do Estado e votou pela ilegalidade da greve e do anúncio de corte de salários dos grevistas, quero manifestar meu repúdio e, ao mesmo tempo, convidá-los/las a renovarem a indignação e espírito de lutas por uma educação pública com qualidade social – para todas as pessoas.

A efetivação dos direitos mais elementares passa, necessariamente, pela educação e esta, além de direito, constitui-se forte instrumento de exercício democrático e realização da cidadania participativa e, portanto, elemento de extrema relevância para a transformação de uma sociedade.

Assim sendo, os profissionais da educação são postos, na agenda de governos do tipo Rosalba, como profissionais que, na prática, não precisam ser valorizados, pois, no exercício da função social da educação, em contextos do saber-fazer pedagógico, são sujeitos que anunciam e criam - nas interações com os sujeitos - novos modos de pensar, agir e relacionar-se consigo, com os outros, com o coletivo e com o que é público. Compromisso com a educação pública, para este governo, é mera retórica de campanha eleitoral.

Não é à toa que a Rosalba, sob o manto da proteção judicial, faz cair por terra um direito constitucional: o direito à greve. E a Secretária Betânia Ramalho instaurará processo administrativo disciplinar contra os servidores que estão, pela greve, lutando por uma educação pública com qualidade social? A que se destinaram as reflexões desenvolvidas em sua produção acadêmico-científica? E os/as que estão em exercício na gestão das DIREDs? Como se sentem e se posicionam diante desses fatos?

As crianças, adolescentes, juventudes e os profissionais que estão no terreno das escolas públicas estaduais sabem sim como são precárias as condições de trabalho/ de ensino e de aprendizagens, além dos péssimos salários dos docentes e demais servidores da rede pública estadual de educação.

E essa realidade também se faz presente no universo de trabalho dos que estão na área da saúde, da segurança públicas do Estado, dentre outras áreas. Esse quadro é de legalidade? A violação de direitos deve ser banalizada? Ao que parece, o direito, por si só, não é suficiente para produzir as transformações necessárias à sua efetivação. Faz-se necessária a articulação, a pressão, acompanhada de um processo de mudança de mentalidades.

Assim, é preciso valer o direito a lutar contra a negação do direito a uma educação pública com garantia de dignidade aos que nela trabalham e estudam.

* Matéria publicada a pedido de Aldacéia Oliveira, professora do CAMEAM/ UERN - Campus de Pau-dos- Ferros/RN e imagem atitudonline.blogspot.com

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Sindicalista responde a governadora

*Por: Fátima Cardoso

A governadora afirmou que está estarrecida com os sindicalistas por não terem orientado a categoria a acatar a ordem do Tribunal de Justiça para o retorno imediato ao trabalho. Se ela está estarrecida o que dirão os trabalhadores em educação que assistem a um festival de desobediência às Leis por parte do governo?

A começar pela Lei do Piso Salarial que vem sendo pisoteada pelo governo desde o dia 06 de abril. A governadora deve a todos os professores 20 horas semanais de trabalho. Ao final do mês, são 80 horas de trabalho em sala de aula. E agora quem descumpre a Lei?

Tem mais: a Lei 432/2010, da implementação de sua tabela salarial que será implantada só em dezembro? A Lei diz outra coisa. Diz que seria até setembro. Cadê o pagamento da carga suplementar e dos contratados que não está em dia?

Os trabalhadores em educação não arredam pé de lutar pelos seus direitos, nem de denunciar a situação caótica em que se encontra a escola pública estadual. Estamos falando do direto dos profissionais que se estende aos alunos e alunas.

Os argumentos de Rosalba não se sustentam em nenhum aspecto. No que se refere as condições gerais do ensino no estado, basta fazer alguns questionamentos à luz da realidade para se verificar que a situação da educação estadual beira o colapso: a reforma do Floriano Cavanti atrasou suas aulas em dois meses. Por que tendo o governo mais de 40 dias para o início das em fevereiro e não providenciou professor para assumir as salas de aula?

Por que cessou a convocação dos professores selecionados em 2010 para assumir as salas de aula? Por que vem retardando a realização do concurso público?

Se fossemos elencar as condições de precariedade das escolas certamente teríamos que escrever um livro. Mas, podemos sintetizar dizendo: "Se o Atheneu - o mais antigo Liceu do Brasil - está abandonado imagine o resto... e tem resto?

Será que a governadora já parou para pensar que não vai barrar a insatisfação dos profissionais? Será que o governo está refletindo que neste momento pode-se negociar uma política que vai deixar fora do cenário de 2012 a possibilidade de greve?

O que os trabalhadores em educação exigem é uma política para a educação e de um ensino de qualidade e não do faz de conta que a governadora quer instituir neste momento.

*Fátima Cardoso é a Coordenadora Geral do Sinte-RN.

Brasil é eliminado pelo Paraguai nos pênaltis