terça-feira, 27 de setembro de 2011

Bancários paralisam atividades

A greve geral dos bancários começa hoje. A mobilização nacional prevê uma paralisação longa, de cerca de 20 dias ou mais, sob o propósito da categoria protestar contra o esquema bancário vigente. A categoria reivindica um reajuste de 26% nos salários, bem como a reposição integral das perdas salariais acumuladas desde 1994 com o Plano Real, o fim do assédio moral e das metas vistas como abusivas. Outros pontos como a contratação de novos bancários e isonomia entre funcionários antigos e novos fazem parte da negociação. No Rio Grande do Norte, todas as 131 agências bancárias existentes, somando 80 na capital e 51 no interior, participam da greve, somando cerca de 2.900 bancários mobilizados.

Em virtude da greve, os bancos funcionarão apenas com o serviço de auto-atendimento, que corresponde ao uso dos caixas eletrônicos e a página da internet, bem como as loterias e canais alternativos, o que já corresponde há mais de 30% de serviços prestados à população, conforme o previsto pela lei de greve. Segundo Marcos Tinôco, diretor de comunicação da Conlutas-RN, durante os dias parados, os bancários se organizarão em piquetes de frente às agências bancárias a fim de orientar a população e esclarecer os motivos que levaram à paralisação por tempo indeterminado.

Até a última sexta-feira, data em que ocorreu a assembléia que optou por deflagrar a greve, os bancos haviam oferecido um reajuste de 8%, bem abaixo do esperado pela categoria. "É desgastante e infeliz que a nossa categoria precise fazer esse tipo de ação grevista", analisa .

Baseado em dados do Instituto Latino-americano de Estudos Sócio-Econômicos (Ilaese), Marcelo Tinôco explica que, desde a vigência do Plano Real, os lucros dos bancos Itaú, Bradesco, Santander, Caixa Econômica e Banco do Brasil cresceram 121% ao ano, enquanto a folha salarial cresceu apenas 19% anuais.

Seguindo as informações do Ilaese, é possível constatar que na década de 1980 existia uma agência bancária para cada 7.432 habitantes. Hoje, a média é apenasuma para cada 9.615 habitantes. Porém, em 1990, são contabilizados 826.244 bancários em todo o Brasil enquanto hoje apenas 486.196 fazem parte do quadro de funcionários - o que faz com que, estatisticamente, cada bancário administre 250 mil contas.

Outro ponto analisado é referente à questão salarial dos bancários. Segundo dados do Ilaese, em 1995, um bancário custava 21 salários mínimos. Com a evolução do valor do salário e os baixos reajustes, um bancário não ganha mais que 7,5 salários mínimos mensais. "Isso incluindo férias, 13º, INSS, tudo", afirma Tinoco.

Outro ladoPara a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), a proposta de reajuste salarial "contempla pelo oitavo ano consecutivo correção de salário com aumento real e reforça o caráter abrangente da Convenção Coletiva do Trabalho da categoria dos bancários, que inclui pisos salariais elevados para uma jornada reduzida e muitos e significativos benefícios".

Memória

Ano passado, a maior greve da categoria dos últimos 20 anos, com a duração de 15 dias, chegou ao fim quando os bancários aceitaram a proposta dos bancos de reajuste salarial de 7,5% para quem ganha até R$ 5.250. Acima dessa faixa, a oferta foi uma parcela fixa de R$ 393,75 ou a correção da inflação (4,29%). A participação nos lucros reais do banco aumentou para R$ 1.100,80, com teto de R$ 7.181. O piso salarial foi reajustado em 16,33%. Já o Banco do Brasil e Caixa reajustaram em 7,5% independentemente do salário. Em registro, os funcionários tiveram que repor os dias parados e trabalharam cerca de duas horas a mais por dia.

Fonte: Diário de Natal

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça aqui o seu comentário.