quinta-feira, 2 de junho de 2011

Morto por ser honesto

Delegado acredita que agente de trânsito teria sido assassinado por ser contra corrupção e irregularidades
Paulo de Sousa // jpaulosousa.rn@dabr.com.br

Era honesto demais. Esse foi, possivelmente, o veredicto dado ao agente de trânsito de Parnamirim Kleidnes Varela do Nascimento, 43 anos, por seus algozes, que o executaram a tiros na última sexta-feira. A tese é do delegado Roberto Andrade, da Delegacia de Homicídios (Dehom). Segundo ele, a polícia trabalha com três hipóteses para a motivação do crime: a denúncia feita pela vítima sobre um esquema de corrupção no Detran do Estado no ano de 2001; rixas internas dentro do setor que trabalhava, por não aceitar desvios de conduta dos demais colegas de serviço; e uma multa que ele aplicara, momentos antes do assassinato, a um condutor que o teria ameaçado por causa disso.

Kleidnes Varela foi assassinado na avenida Abel Cabral, no bairro de Nova Parnamirim, por volta das 17h. Segundo a polícia, três homens estavam em um veículo Celta prata e o condutor parou próximo a um supermercado, iniciando a discussão com o agente de trânsito em trabalho. Após discutir, o suspeitosacou um revólver e efetuou três disparos contra a vítima, fugindo em seguida.


Profissional atuava em Parnamirim
e discutiu com motorista no dia do
crime. Foto: Fábio Cortez/DN/D.
A Press.
 O delegado afirma que as três linhas de investigação levantadas até agora são fortes. "Por enquanto não posso descartar nenhuma delas". Segundo Roberto Andrade, Kleidnes Varela era conhecido por sua honestidade e pela intolerância com aquilo que considerava errado, o que pode ter gerado alguma antipatia por parte de pessoas quem estava ao seu redor.

Por causa dessa postura, o agente de trânsito denunciou um esquema de corrupção dentro do Detran/RN no início da década passada. "Ainda não estou por dentro do que foi essa denúncia. Mas a esposa dele, logo após o assassinato, nos revelou que o agente teria recebido várias ligações anônimas ultimamente, fazendo ameaças por causa disso", afirma o delegado. Roberto Andrade diz ainda que havia uma rixa interna dentro do setor de trânsito de Parnamirim, no qual trabalhava Kleidnes Varela, pelo fato dele fazer críticas e denunciar desvios de conduta de colegas. "Ele era bastante hostilizadopor isso".

Ainda de acordo com o responsável pelas investigações do crime, na tarde em que ocorreu o assassinato, por volta das 15h, Kleidnes Varela aplicou uma multa a um condutor ainda não identificado, que não se agradou disso e o ameaçou. "Ele teria dito que o agente não sabia com quem estava falando e que aquilo não ficaria assim". Tal declaração teria sido testemunhada por um colega de trabalho do agente, que a relatou à polícia logo após a execução.

Para o delegado, a principal dificuldade das investigações está sendo a greve da Polícia Civil. "Estamos deixando de fazer algumas diligências por causa disso". Ele pede que a população ajude, caso saiba de algo, ligando para o disque denúncia: 0800 84-2999.

Fonte: Diário de Natal

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça aqui o seu comentário.