domingo, 4 de outubro de 2009

TRABALHADORES DA ÁREA DE SEGURANÇA PÚBLICA PODEM PARAR AS ATIVIDADES NO DIA 13 DE OUTUBRO

Dois mil PMs podem entrar em greve no estado a partir do dia 13


A partir de segunda-feira, militares sem coletes balísticos, armamentos e munições não vão assumir os postos de trabalho; militares sem curso de motorista de emergência determinado pelo Código de Trânsito Brasileiro e sem habilitação da categoria D não vão dirigir viaturas policiais e militares não vão assumir postos policiais sozinhos. Esta é a determinação das associações que representam policiais militares e bombeiros no Rio Grande do Norte diante do impasse envolvendo o realinhamento do salário.

Para evitar que algum militar seja punido ou sofra represálias, as associações que representam a categoria vão entrar com um mandado de segurança coletivo já na segunda-feira. A decisão pela implementação das medidas previstas no regulamento interno de serviços foi tomada durante assembleia realizada hoje - ocasião que marcou a 2ª paralisação de 24 horas em menos de duas semanas. Associações de policiais militares e bombeiros tentaram se reunir na manhã de hoje com representantes do Governo para definir o rumo da mobilização dos militares no estado.

Diante do impasse envolvendo a negociação, a comissão formada pelos militares marcou uma nova assembléia para o dia 13 de outubro, não descartando a possibilidade de paralisação por tempo indeterminado. Caso o Governo e os militares não cheguem a um consenso, cerca de 2 mil militares podem paralisar as ações em todo o Rio Grande do Norte no dia 13 de outubro. O movimento será mantido dentro da legalidade, atendendo as determinações da Lei de Greve.

Por Andrielle Mendes - Leia matéria completa na edição deste sábado do DIARIODENATAL



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça aqui o seu comentário.